>

A Câmara Municipal de Mococa instaurou a abertura de duas Comissões Especiais de Inquérito (CEI) para apurar práticas de nepotismo na Prefeitura Municipal, a partir de nomeações de parentes para cargos de assessoria do Prefeito, e também para investigar a manutenção do assessor jurídico que estava com a inscrição na Ordem dos Advogados (OAB) suspensa. Os requerimentos que solicitaram a abertura das Comissões foram assinados pelos vereadores Elisângela Maziero (PSD), Elias de Sisto (PR), Val Miranda (PRB), BOB (PSD), Eduardo Barison (PV), Bim Taliberti (PSB) e Daniel Girotto (PROS).

Após a leitura dos dois requerimentos, a Sessão da Câmara foi suspensa pela presidente Elisângela Maziero, que realizou o sorteio dos membros para compor a CEI. Todo o processo foi feito no próprio plenário, conferindo total transparência. A primeira comissão formada foi para apurar a manutenção do Assessor Jurídico, Dr. Márcio Curvelo Chaves, que encontra com a seu registro profissional suspenso pela Ordem dos Advogados do Brasil – Seção São Paulo – OAB/SP. De acordo com o texto do requerimento, é necessário uma investigação para apurar os fatos, uma vez que suspenso o registro na OAB fica o profissional impossibilitado de atuar como Assessor Jurídico, segundo a Lei 8.906/94 – Estatuto da OAB.

Para compor essa comissão foram sorteados os vereadores Agimar Alves (PMDB), Francisco Tuca (PSDB) e Edmilson Caju (PSD). Rincon (PEN) e Daniel Girotto (PROS) também foram sorteados e foram indicados para assumirem a presidência e a relatoria, respectivamente.

O segundo pedido de abertura de Comissão Especial de Inquérito foi para apurar possíveis práticas de nepotismo em nomeações realizadas pelo prefeito municipal Dr. Wanderley Fernandes Martins Júnior. As investigações irão concentrar nas nomeações de dois irmãos para cargos de confiança e também um casal (marido e mulher).  Para essa Comissão foram sorteados os vereadores Eduardo Barison (PV), escolhido para presidir os trabalhos, Bim Taliberti (PSB), que será o relator, Val Miranda (PRB), Elias de Sisto (PR) e Agimar Alves (PMDB).

As duas comissões terão prazo de funcionamento de 60 dias e deverão iniciar os trabalhos nas próximas semanas.